Abrir uma empresa requer uma série de cuidados. Para minimizar possíveis riscos, é criado um modelo de negócios, que é o responsável por orientar todo o desenvolvimento da empresa.

Isso inclui programar tarefas e ações que vão desde a escolha do produto ou serviço que será oferecido até o desenvolvimento das estratégias de abordagem do público.

O que é esse modelo?

A função do modelo de negócios é fazer com que os objetivos da empresa fiquem mais claros, através de um esquema que descreve todas as fases e os elementos do negócio.

Ele deve ser simples e de rápida implementação. Geralmente, para sua implementação, é usado um quadro, composto por nove divisões.

Essas divisões incluem setores desde os segmentos de atendimento ao cliente, passando por propostas de valor e pelas fontes de receita até a estrutura de custo, que é o resultado da implementação dos elementos do modelo.

Cada um desses elementos deve ser colocado nesse quadro. Mesmo que eles não estejam completamente desenvolvidos, é importante inseri-los.

É essencial ficar atento à necessidade de ajustes. À medida que o quadro vai sendo preenchido, novas demandas podem surgir e os processos devem ser aprimorados.

A seguir, vamos falar, resumidamente, sobre o Canvas, que é uma das ferramentas mais utilizadas na área dos negócios atualmente.

Modelo X Canvas

Algumas pessoas tratam o modelo de negócios como sinônimo de Canvas. Apesar de o Canvas englobar elementos do modelo, as duas ferramentas não são exatamente a mesma coisa.

O Canvas é uma ferramenta mais simples e resumida. Em linhas gerais, ela é utilizada para colocar em prática o modelo, quando este já está estruturado.

Com o Canvas, você define qual é o diferencial que a empresa oferece, para quem ela quer vender, quais produtos serão oferecidos, como funciona o fluxo financeiro, qual o canal de comunicação e as diretrizes do relacionamento com o cliente.

Para colocá-lo em prática, você deve escolher uma ferramenta para servir de local do modelo, como o Canvanizer, e definir todos os pontos citados acima, com as divisões em ordem lógica.

As divisões são: Principais Parcerias, Atividade-chave, Principais Recursos, Proposta de Valor, Relacionamento com Clientes, Canais de Comunicação, Segmento de Clientes, Custo de Estrutura, Fontes de Receitas.

Já a função do modelo de negócios é permitir a visualização mais fácil de todos os processos de organização. Por ter uma implementação simples, torna possível otimizar as metodologias da empresa.

Esse modelo não é aplicado apenas nas empresas iniciantes. Se o seu negócio já está no mercado há um tempo, mas ainda não implementou um modelo, faça isso agora mesmo!

Existem diversos modelos que podem auxiliar bastante as áreas da sua empresa. Alguns deles já vêm prontos, mas o ideal é personalizar a ferramenta de acordo com as demandas do negócio.

A seguir, você confere alguns dos principais tipos de modelos de negócios e suas características.

Os tipos de modelos de negócios

Os modelos, apesar de serem similares e terem basicamente o mesmo propósito, de atrair clientes, possuem suas particularidades.

Alguns dos mais conhecidos no ramo dos negócios são:

Software as a service

Mais conhecido pela sigla SaaS, esse modelo permite que o cliente acesse plataformas online através de assinaturas mensais.

É necessário um acesso à internet de qualidade para que o serviço funcione.

É o caso da Netflix e do Spotify, por exemplo. Essa modalidade também está ligada ao modelo de assinatura, que veremos com mais detalhes agora.

Assinatura

Apesar de também ser forte no ramo online, a assinatura geralmente usa um endereço fixo para entregas de produtos.

Para atrair os clientes, as empresas que optam por esse tipo de modelo de negócio precisam investir em exclusividades para assinantes.

Um exemplo é o que faz o clube Leiturinha, que entrega livros infantis mensalmente nas casas dos assinantes.

Franquia

As franquias são expansões comerciais de uma marca. Consequentemente, todas as franquias usam o mesmo modelo de negócios, independentemente de sua localidade ou de seu gerente.

Redes como McDonalds, Burguer King e Vivara permitem que os empresários invistam em uma estrutura já consolidada e reconhecida.

As desvantagens, por sua vez, incluem os altos preços e a falta de liberdade na realização de ações, que devem sempre ser autorizadas pelo dono da marca.

Startups

As startups, por si só, não são um modelo de negócios, mas estão diretamente ligadas a ele. O maior diferencial da startup em relação às outras empresas é justamente o modelo de negócios.

Nessa categoria, é preciso que ele seja muito inovador e diferenciado.

Por causa do seu crescimento rápido, você deve se certificar de que a parte financeira é condizente com o modelo.

Passo a passo para um modelo de negócios de sucesso

Agora que você já sabe o que é o modelo de negócios, é hora de entender como colocá-lo em prática.

Separamos algumas dicas que vão facilitar essa implementação:

Tenha em mente algumas perguntas (e as repostas, claro)

Mesmo que você opte por não usar o Canvas, divida os campos do modelo de forma organizada.

  • O que vou fazer? É o que você oferece de valor ,u seja, o que você oferece de diferencial para o mercado.
  • Para quem vou fazer? Essa resposta deve definir o público-alvo e qual a melhor maneira de se relacionar com esses consumidores escolhidos.
  • Como vou fazer? É preciso saber quais são os recursos disponíveis para realizar os planejamentos. Isso inclui parcerias e atividades especializadas.
  • Quanto vou gastar? É saber qual vai ser o custo do negócio e se as receitas viabilizam esse investimento.

Todas as perguntas estão diretamente relacionadas e são igualmente importantes no sucesso de uma empresa. Você pode fazer as adequações necessárias ao longo do tempo.

Esteja sempre disponível para mudanças

Como acabamos de falar, o modelo de negócios pode (e deve) se adequar sempre que for preciso. É interessante sempre acompanhar as mudanças para perceber o que pode ser melhorado.

O melhor jeito de fazer essa organização é colar Post-Its ou outros tipos material que podem ser apagados ou retirados à medida que os ajustes forem sendo feitos.

Um modelo de negócios atualizado permite uma competição mais vantajosa no mercado em relação aos concorrentes e possibilita a reflexão sobre os resultados da empresa.

Antes de implementar as ideias ou as mudanças, é importante verificar se elas fazem sentido. Para isso, recorra a feedback e demonstrações.

Não tenha medo de errar

Mesmo que sua ideia ainda não esteja tão desenvolvida, insira-a no quadro do modelo de negócios para ter melhor visualização.

Externar o planejamento facilita na hora de perceber o que deve ser aprimorado. É claro que ninguém faz planos para que não deem certo, mas, se derem errado, você aprende algo novo.

Tão importante quanto saber o que dá certo, é saber o que não dá. Dessa forma, ficam mais evidentes as áreas que precisam de maior atenção.

Só tome cuidado com alguns problemas recorrentes. Entre os mais comuns estão informações pouco detalhadas, informações não condizentes com a realidade, desorganização e falta de estudo de mercado.

Se tirar o modelo do papel, pensar nele executado e perceber que todas as etapas foram baseadas no projeto, isso significa que seu modelo está pronto e funcionando bem!

Podemos perceber que o modelo de negócios não exige muito material para ser executado, mas precisa de bastante organização. Que tal começar a colocá-lo em prática agora mesmo?

Caso você esteja querendo abrir sua empresa, você vai precisar saber outros aspectos além do modelo de negócios. Para isso, leia também o post sobre como abrir um negócio. Você vai encontrar dicas de diversas áreas para ajudar você nesse novo empreendimento.